terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A culpa é nossa

O que se viveu ontem foi só mais um episódio da decadência em que o nosso clube está mergulhado. Responsabilidades há muitas. As culpas são fáceis de identificar:

Jogadores : manifestam claramente falta de trabalho. Fisicamente débeis provam que o Sporting há muitos anos é como uma empresa onde os seus operários trablham das 9 às 5. As horas extra no Sporting há muito que não existem. Já nem pedia que aprendessem a cruzar uma bola, que treinassem as bolas paradas de forma a conseguirem marcar um golo de cabeça (!) ou ainda que conseguissem marcar um golo de livre directo. Já só pedia que conseguissem correr os 90 minutos ou que tivessem força para fazer um remate. Eles, claramente, não têm vergonha daquilo que mostram jogo após jogo.

Treinadores : Podíamos ter um treinador que soubesse motivar jogadores. Podíamos ter um treinador que forçava o treino dos aspetos acima descritos. Podiamos ter um treinador que não punha o Grimi a jogar. Podíamos ter um treinador que impedisse passes e remates sem qualquer sentido. Não temos. O que realmente me tira do sério, é que após todos os jogos, venha elogiar este futebol miserável. Está claramente no sítio errado.

Claques: Se dos dois anteriores podia esperar que tivessem algum vergonha, das claques nunca vou esperar algo desse género. Jogo após jogo matam o futebol, afastando pessoas civilizadas do estádio. Levar crianças ao estádio só se for para os camarotes e com muito cuidado na forma como se chega ao estádio. Também aqui podia falar nos custos que os clubes incorrem com a segurança. Se amam o clube então são estúpidos porque prejudicam-no bastante.

Dirigentes: Incompetentes há anos, espalham o seu perfume em tudo o que tocam. Tiveram inexplicavelmente uma maioria atrás deles. Hoje são finalmente criticados por aqueles que os apoiaram. O engraçado (se é que isto pode ter píada) é que muitos deles pretendem manter-se por lá. Tal como no resto do país, já ninguém tem vergonha de ser incompetente, desde que saia mais rico da situação.

Nós, os sócios: Sem dúvida os maiores responsáveis. Há anos que a nossa preguiça e falta de militância permitiram que o clube ande a enriquecer um grupo de aritocratas. Aceitamos a falta de transsparência e apostamos naqueles que não amam o Sporting. A nossa estupidez permitiu que o clube fosse gerido de forma gravemente danosa durante anos.

Será que já acordámos? Será que vamos conseguir mudar? Será que o Sporting ainda poderá ser o clube com que sonhámos? A hora de sonhar com campeonatos e grandes vitória já lá vai e, infelizmente, irá demorar a voltar. Agora a luta é outra. Primeiro, é preciso limpar a porcaria toda e repor uma série de valores básicos: Transparência, honestidade e muita dedicação ao Sporting.

5 comentários:

Mario Moura disse...

Meu Caro,

Concordo com quase tudo... Mas o q vi ontem em Alvalade foi do mais grave q ja assisti... A carga policial foi evidentemente encomendada! Eu estou a vontade pq não sou fã nem defensor da JUVE mas não posso ficar indiferente ao q assisti ontem!!! O q justificou a primeira carga policial??? Mesmo com a miséria de equipa q temos são eles q bem ou mal acompanham a equipa!!! E são tratados assim no seu próprio estádio??? E ninguém sai em defesa dos adeptos??? Veja-se o LFV em Setúbal!!! Saiu em defesa dos adeptos!!! Eu ontem demorei novamente mais de meia hora para entrar no estádio... e pq? Para a claque adversaria entrar em segurança!!! Então eu, em minha casa, sou sempre o prejudicado??? Sim a culpa é dos sócios porque são mal tratados em própria casa e não fazemos nada!!!

Manuel disse...

Caro Mário Moura,

não estive em Alvalade mas vi o jogo na televisão onde mostraram algumas imagens da zona da Juve aquando da carga policial. Posto isto tenho a dizer que achar que foi uma carga encomendada é cair nas inúmeras teorias da conspiração a que os lampiões já nos habituaram sempre que saem prejudicados...
A polícia não está lá para agredir, está sim pra impôr a ordem. Houve excesso de zelo? Possivelmente. Aliás, tanto quanto sei, o corpo de intervenção gosta de se envolver nestes confrontos. Mas não acredito que não tenha havido provocação.
Mais ainda, a claque adversária foi explicitamente a última a entrar no estádio, como aliás deve ser feito.

Dito isto, eu entro pela mesma porta que a Juveleo e sei bem a gandulagem que pra lá anda e a porcaria que eles armam AINDA ANTES DE ENTRAREM NO ESTÁDIO. Portanto volto a dizer, duvido muito que não tenha havido provocação.

Quanto ao resto subscrevo totalmente ao que o Miguel disse.

MRL disse...

Amigo Mário,

desde que fui apedrejado por tipos da Juve Leo no Estoril ou desde a altura em que o seu líder insultou-me de uma forma inaceitável quando em Alcochete não fui apedrejar os tipos dos NN, que tenho alguma dificuldade em exprimir algo a favor deles.

Acho essencialmente que o bom que dão ao espectaculo não compensa o que prejudicam, afastando os adeptos civilizados do estádio.

Quanto a ontem, sinceramente não percebi a razão dos confrontos, mas dificilmente os defenderei.

Falcato disse...

Nunca saí de um avião antes deste aterrar!
Pela mesma ordem de ideias, também nunca compreendi aqueles que saiam do estádio antes do árbitro apitar!
Ontém, pela primeira vez, tive vontade de me levantar e sair!
Não o fiz, mas vontade não me faltou!
Que vergonha (de equipa, de treinador, de dirigentes, de claques, de sócios e de adeptos)!
Que vergonha!

Anónimo disse...

Sem querer encontrar desculpas… dos jogadores que iniciaram a pré-época…enquanto que o JJ apenas não contou com o David Luís, o PS não contou com: Liedson, Vuk, Izmailov, Valdês, Carriço e Evaldo. Meia equipa num plantel tão curtinho dá que pensar…

Isto num jogo em que se o Roberto não defende aquele remate totó do Matias tudo iria ser diferente!