domingo, 3 de abril de 2011

Em Força

Foi uma semana complicada para o Sporting Clube de Portugal.

Foi uma semana em que vimos um presidente que a grande maioria de nós não elegeu a tomar posse do clube que amamos.
Foi uma semana em que vimos um indivíduo que creio fortemente ser um fantoche de "outros poderes" mostrar que nada merece de nós que quisemos a mudança.
Foi uma semana em que senti vergonha dos adeptos fracos de carácter, dos velhos do restelo e dos boys dos tachos que o elegeram e dos vândalos que não souberam levar com a onda de cabeça erguida.

No entanto foi também uma semana em que vi um balneário a finalmente ser fechado ao exterior. Foi uma semana em que a equipa de Luís Duque e Carlos Freitas voltou a fazer valer o nome que aos poucos foram ganhando no futebol português, notando-se desde logo a sua influência no que sobre nós foi falado por aí. Foi uma semana de ânimos quentes, de cobardias reveladas, de conversas sobre fraudes eleitorais e de desculpabilização por parte dos que cá ficaram.

Quero deixar bem claro uma coisa: nunca teria sido o meu presidente aquele que saíria vitorioso destas eleições, porque nenhum dos candidatos mostrou merecer o meu apoio como indivíduo. Mas dos projectos que foram apresentados, não foi o meu projecto, e o de Bruno de Carvalho, que venceu estas eleições. Se houve fraude ou não? Na minha humilde opinião houve aquilo a que gosto de chamar marosca, mas não me parece que vá ser possível confirmá-la ao ponto de haver uma segunda volta. E cada vez mais penso que todos devemos ser humildes e deixarmo-nos de guerras mesquinhas. Se foi pelo clube que se envolveram nesta campanha então façam valer a vossa força junto de quem venceu. O nosso clube merece melhor. O nosso clube merece que aqueles que prometiam mundos e fundos para vencer umas eleições mostrem a quem neles votou porque mereceram esse voto.

Sejamos frios numa questão: não foi uma equipa fraca aquela que ganhou. Não foi um grupo de bandalhos aquele que saíu por cima no dia 26. Acredito que são eles que podem levar o meu clube à vitória? Sinceramente não sei. Mas acredito muito na força do que podemos fazer juntos.
Há uma palavra inglesa que me vem à mente neste momento: enforce. Não pela sua conotação violenta, mas sim pela sua conotação de não dar tréguas. De fazer valer aquilo em que acreditamos.
O presidente eleito Godinho Lopes apela à união? Pois bem, então dar-lhe-emos essa união. E dar-lha-emos como só nós sportinguistas sabemos dar: estaremos lá todas as semanas a dar apoio à nossa equipa, mas não daremos hipotese aos que nos querem mal. Se este é um mandato que GL faz questão de cumprir então estaremos lá para lhe dizer o que deve fazer. Se esta é uma presidência que GL pretende assumir, então que olhe bem à sua volta porque este clube não mais ficará calado, não mais deixará este governo sombra ditar os passos desta instituição que é tão maior que nós.

Pediu apoio senhor presidente? Então prepare-se, porque cá estaremos para o dar. Espero é que tenha noção do que pediu...

3 comentários:

JG disse...

Um post muito, muito, muito bom, Manuel. Com alma e racionalidade. Com sportinguismo!

MRL disse...

Concordo com a generalidade do post.

Há algo que tem de fazer parte da cultura sportinguista: os deveres de cada um.

Os orgãos sociais têm o dever de respeitar os sócios e de gerir o clube de forma transparente.

Os sócios têm o dever de apoiar e de exigir essa mesma transparência.

Veremos agora como esta administração fará com que os muitos que já foram embora voltem ao clube.

Manuel disse...

O problema é que no Sporting (tal como na generalidade do país) as pessoas preocupam-se cada vez mais com o que lhes é devido do que com aquilo que devem, há muita preocupação com os direitos dos sócios mas já no que diz respeito a deveres é outra coisa...

Mas se houve algo que estas eleições trouxeram de bom e que espero que se mantenha é a vontade de contribuir, de ajudar à mudança.

Vamos ver no que resulta.