quinta-feira, 6 de maio de 2010

Homenagem a Iordanov



E fez-se a festa 10 anos depois...Foi um momento diferente para quem costuma ir ao futebol. Sem grandes tensões, sem stress, apenas com divertimento...Até deu para eu fazer a estreia do meu filhote em Alvalade em jogos ao vivo!

Foi pena não estar mais gente. Este jogo merecia outra data e outra hora para cativar mais gente e mais miudos. Para ser uma festa de sportinguismo mais forte e com mais cor. De qualquer modo, foi o possivel e atendendo a todas essas condicionantes, foi um momento bonito.

Confesso que me fizeram confusão os assobios a Veloso, a Mozer e ao Helder. Era uma festa e se aqueles jogadores ali estavam, foi porque quizeram estar com o Iorda! Ao contrario dos milhares que têm gamebox e ficaram...em casa!

Também não percebi as ausencias do Figo e do Balakov. Pelo menos desses dois...De qualquer modo, foi um prazer rever Andre Cruz, Naybeth, Beto, Luisinho, Acosta, Filipe (está tão gordo...) Leal, Sa Pinto, Barbosa, Rui Jorge, Marco Aurelio, Dominguez, Vidigal, Pedro Venancio, Xavier ou Oceano, entre tantos outros. Tive muita pena que Mario Jorge, Jordão e Manuel Fernandes não tenham estado presentes.

E que grande jogo fez Melo! De quem já não tenho grandes recordações porque era muito pequeno no seu tempo de jogador. Tal como de Freire, que está gordíssimo e quase não se mexia. Ainda me lembro do Freire da linha avançada Jordas/ Manel/ Freire, que chegou a ser a linha avançada titular da selecção, pelo menos num jogo em Israel de qualificação para o (Mundial de 78?).

A proposito deste jogo, andei a percorrer a net e encontrei um vídeo muito interessante no site da Bola (alguma vez tinham de ter qualquer coisa interessante no meio do lixo vermelho). Entre as varias entrevistas feitas aos convidados para o jogo, chamou-me a atenção a de Marco Aurelio, da qual passo a transcrever algumas declarações do (enorme) ex-central do Sporting:

"O meu Sporting era mais povão, era mais povo. Porque para treinar passavamos por dentro da malta. Andava bem ou andava mal, tínhamos de passar por ali. Talvez hoje o Sporting esteja melhor com a Academia, que e é um grandíssimo Projecto, é um Projecto inovador e pioneiro, tudo de bom. Mas talvez se tenha distanciado um pouco da malta, da torcida, daquele senhor que lia o jornal de manhã e conversava conosco, do (...não se consegue perceber) do pequeno almoço, tudo isso...".

Pois é, o Sporting está muito profissional (estará realmente?) mas afastou-se da sua alma...Marco Aurelio exprimiu muito bem o que muitos de nós pensamos...

2 comentários:

João Pedro Silva disse...

Amigo JG:
Leio a tua crónica, lembro-me do que senti ontem no estádio e vem-me uma lágrima aos olhos.

Por um lado, observo quão bonita é a nossa história.

Por outro, constato que daqui por dez anos, não teremos nada nem ninguém que homenagear.

Um abraço,

Leão Transmontano disse...

lamentável... Num momento onde os valores leoninos deveriam elevar-se, eis que decidem colocar aqueles que enveredaram a camisola verde e branca vestidos com um verde que não é o nosso...

Marco Aurélio tem razão... no tempo dele o Sporting era povo e havia povo leonino. O Sporting afastou-se do seu povo, mas esse povo não morreu, felizmente. Tarda em regressar a Alvalade, por isso não admira que por alvalade se ouçam palmas aos golos dos rivais e incentivos a outros treinadores.